Tag: modos

Campo Harmônico

Campo Harmônico

Harmonia, s.f. 1. Sucessão de sons agradáveis ao ouvido; 2. arte de formar e dispor os acordes musicais; 3. disposição ordenada entre as partes de um todo; 4. suavidade de estilo; 5. concórdia; paz e amizade entre pessoas; 6. proporção; simetria; 7. coerência.

Harmônico, adj. 1. Concernente a harmonia; 2. em que há harmonia; harmonioso; 3. regular; coerente; proporcionado.

Amora (1998)

Harmonia: o ensino dos complexos sonoros (acordes) e de suas possibilidades de encadeamento, tendo em conta seus valores arquitetônicos, melódicos e rítmicos e suas relações de equilíbrio.

Schoenberg (1911)

A palavra harmonia no âmbito musical está sempre relacionada com acordes. Harmonia é o estudo dos acordes e suas relações e/ou funções.

Os harmônicos estão relacionados com a série harmônica, que também tem tudo a ver com formação de acordes, mas não é assunto para este post.

Campo, s.m. física 1. Região que se encontra sob a influência de alguma força ou agente físico; sentido figurado 2. área em que se desenvolve determinada atividade; 3. assunto, motivo, tema; 4. esfera de ação; domínio, âmbito.

Dicionário do Google (2018)

Campo Harmônico é, então, um grupo ou conjunto (Campo) de acordes (Harmônico), gerado a partir de uma escala. Usamos normalmente para isso nossas quatro grandes escalas.

Empilhando as notas das escalas em intervalos de terça (em dó maior, por exemplo: acorde I – dó mi sol si = C7M, acorde II – ré fá lá dó = Dm7, e, assim por diante, usando apenas notas da escala em questão), obtemos os campos:

Diatônico: C7M Dm7 Em7 F7M G7 Am7 Bm7(b5)
Menor Melódico: Cm(7M) Dm7 Eb7M(#5) F7 G7 Am7(b5) Bm7(b5)
Menor Harmônico: Cm(7M) Dm7(b5) Eb7M(#5) Fm7 G7 Ab7M Bº
Maior Harmônico: C7M Dm7(b5) Em7 Fm(7M) G7 Ab7M(#5) Bº

Para o campo harmônico em tríades, desconsidere as sétimas.

Dúvidas?
Entre em contato pelo e-mail: mousike@mousike.art.br

Referências:

AMORA, Antônio Soares Minidicionário Soares Amora da língua portuguesa. 4ª ed – São Paulo: Editora Saraiva, 1998.

SCHOENBERG, Arnold Harmonia. São Paulo: Editora UNESP, 2001.

leandro
Leandro Fonseca fb.com/leandrofonsecatgk
Compositor, Professor, Músico, Produtor e Diretor da Mousikê
Youtube

Anúncios

Technical Dimensions PT. 3 – Inner Peace

Olá! Meu nome é Matheus Manente, sou musico e produtor musical. Nesta coluna, escreverei sobre dicas de composição e transcrições do meu álbum instrumental Illusions Dimension.

Semana passada, discutimos sobre duas frases da música Brihadeeswarar Temple escritas de maneiras bem diferentes! Caso você não tenha lido e praticado, clique aqui!

Hoje teremos uma transcrição completa do solo de guitarra da música Inner Peace! Ouça a música no link a seguir. Essa, assim como todas as outras músicas do álbum Illusions Dimension, podem ser baixadas de graça no Bandcamp ou escutadas via Spotify!

Desta vez, teremos mais prática e menos teoria. A primeira parte deste solo foi completamente escrita utilizando a escala de Mi Maior e diversas figuras rítmicas – desde Mínimas até Fusas, passando por Sextinas. Portanto, treinar a rítmica destas frases é um ótimo exercício mental para alternar entre divisões binárias e ternárias de tempo!

Technical Dimensions 3 Figura 1.png

Na segunda parte, aparece uma frase baseada na escala de Mi Menor Melódico e um arpejo de Mi Diminuto, antes de a base fazer uma modulação para Fá# menor. A frase que se segue está completamente escrita dentro desta tonalidade, e é tocada com o auxílio de pull offs para facilitar a digitação, com a repetição do seguinte padrão:

Palhetada – Pull Off – Palhetada – Palhetada

Technical Dimensions 3 Figura 2.png

Por fim, a base faz mais uma modulação para Sib Maior, e o solo segue para esta tonalidade. Neste ponto, a grande dificuldade é manter a velocidade e definição da frase, o que exige bastante resistência especialmente da mão que está digitando (esquerda no caso de destros).

Technical Dimensions 3 Figura 3.png

Esta foi uma música muito marcante para mim na época em que a escrevi, e ainda guardo bastante carinho por ela. Uma curiosidade: No início, as vozes dizem “eu amo você” em dezenas de línguas diferentes!

Gostou? Conseguiu tocar o solo?

Não esqueça de deixar sua opinião!

Se quiser conhecer mais sobre o meu trabalho, não deixe de acessar o website oficial.

Semana que vem tem mais! Até lá!

Technical Dimensions PT. 2 – Brihadeeswarar Temple

Olá! Meu nome é Matheus Manente, sou musico e produtor musical. Nesta coluna, escreverei sobre dicas de composição e transcrições do meu álbum instrumental Illusions Dimension.

Semana passada, discutimos uma sequência de arpejos da música Market Garden que, além de ser escrita num modo diatônico bem diferente, serve como um ótimo exercício técnico! Caso você não tenha lido, clique aqui!

Hoje vamos conversar sobre duas frases muito interessantes da música Brihadeeswarar Temple, que também podem servir como excelentes exercícios para desenvolver a técnica e sincronia entre ambas as mãos! Ouça a música no link a seguir:

A primeira frase começa logo aos 24 segundos de música, e é baseada em Ré Lídio. Se você quiser explicações detalhadas sobre os modos gregos ou diatônicos, pode acessar o texto fantástico que o Leandro Fonseca escreveu clicando aqui! Em resumo, este modo diatônico é formado pelos seguintes intervalos (que incluem uma quarta aumentada):

F 2M 3M 4A 5J 6M 7M

A construção desta frase é muito simples e compreende somente a execução das notas da escala, que no caso de Ré são:

Ré – Mi – Fá# – Sol# – Lá – Si – Dó#

Se a composição é bastante simples, a real peculiaridade desta frase se dá na digitação, um padrão completamente fora do convencional e que, a princípio, com certeza vai dar alguns nós em sua mão. Um ótimo exercício para trabalhar a independência dos dedos!

Technical Dimensions 2 Figura 1.png

A segunda frase começa aos 4min09s da música, e logo no primeiro compasso, aparenta ser uma clássica frase construída sobre a escala de Fá# pentatônica menor, com a presença de uma blue note na quarta aumentada. No entanto, o segundo compasso revela uma sonoridade bastante diferente, advinda do próprio modo mixolídio b9/b13 que discutimos na semana passada:

Technical Dimensions 2 Figura 2.png

Então, qual é o segredo desta frase? Ela se baseia, principalmente, na omissão das notas características do modo e na inclusão de uma aproximação cromática.

No primeiro compasso, a omissão das notas características esconde do ouvinte o modo sob o qual estamos trabalhando, sem escapar da escala – A blue note surge como uma nota de aproximação, uma dissonância que se resolve na quinta justa, e reforça a “mentira” que estamos contando.

Já no segundo compasso, a frase revela finalmente outras notas do modo, e sua real natureza, que reside no modo frígio maior. A última nota a ser “revelada” é justamente a terça maior.

Os próximos compassos seguem um padrão de construção muito parecido, embora o quarto compasso seja ligeiramente diferente do segundo. Este é um ótimo exemplo de como o contexto no qual as notas são colocadas é capaz de manipular a sonoridade de uma música.

Technical Dimensions 2 Figura 3.png

E como toda a interpretação é relativa, vale a pena também observar esta frase através da perspectiva da utilização de outros dois modos, Fa# Lídio b7 na primeira parte e Mi Dórico #4 na segunda.

Curiosidade: Brihadeeswarar Temple foi a primeira música a ser composta para o álbum Illusions Dimension, que você pode baixar de graça clicando aqui!

Gostou? Conseguiu tocar as frases?

Não esqueça de deixar sua opinião!

Semana que vem tem mais! Até lá!