Música e filosofia: a origem do nome música

Música e filosofia: a origem do nome música

Por Vagner Sardinha

Conversando sobre mitologia grega, uma pessoa me questiona: qual era considerada a musa da música? De imediato dei a seguinte resposta: “não existe uma musa da música, todas as musas são música”. Minha resposta incomodou de duas formas à pessoa que perguntara. Não seriam todas as musas da música? E, mesmo se assim o fossem, como poderiam todas elas serem da música? Calíope não era a musa da poesia? Clio da história? E assim por diante? Cada uma possuía o seu domínio como musa. Sim, concordo, porém, explicarei minha resposta inicial.

“não existe uma musa da música, todas as musas são música”

Para compreender que todas as musas são música é preciso compreender a origem das musas como guardiãs da memória. As musas nascem da união entre Zeus, o deus dos deuses do Olimpo e a filha de Urano e Gaia, irmã de Chronos e Oceanos, Mnemósine, deusa da memória. Não por acaso, Mnemósine guarda toda infinitude em sua genealogia – filha do céu (Urano) e da terra (Gaia), irmã do tempo e do oceano. Mnemósine atravessa o tempo absoluto, isto é, o tempo medido e racionalizado. Durante nove noites Zeus e Mnemósine copulam e dessa união nascem nove musas.

Elas, as musas, são o próprio canto no seu cantar, cantam a memória, nascem para trazer à presença, através do canto, a glória dos deuses. Acompanhadas da melodia da lira de Apolo, dançando e cantando ao redor da fonte e do altar de Zeus no Monte Olimpo, são filhas e ao mesmo tempo a própria personificação da memória. Uma vez em seu canto, o que foi dito não pode ser esquecido.

No grego antigo, esquecimento é dito na palavra lethe, o rio que atravessa o Hades (na mitologia grega, espécie do que se conhece por inferno), e quem bebe da água deste rio esquece tudo que viveu. O canto das musas é o não esquecimento dito na palavra a-lethéia, isto é, o que o grego entende por verdade. Essa verdade é aquilo que se apresenta da maneira que é, diferente da concepção dualística na qual compreendemos a verdade hoje: oposição entre verdadeiro e falso.

Leia o texto na íntegra.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s